Quem é considerado Cuidador?

25-10-2018

Existem os Cuidadores Formais e os Informais, saiba quem são e o que fazem.

No dia-a-dia, tem sido bastante abordado o tema sobre o Cuidador Informal e a Luta para a concretização do Estatuto do Cuidador.


Mas, afinal, o que é um Cuidador? Há vários tipos de Cuidador? Se há um cuidador informal, o que faz?


Cuidador é toda aquela pessoa que cuida, sendo que se pode dividir em duas categorias distintas: os Cuidadores Informais - normalmente familiares ou vizinhos, que NÃO recebem nenhum valor monetário pelo cuidado - e os Cuidadores Formais - Profissionais qualificados e remunerados pelos serviços que fazem.

Se está a pensar naquela pessoa que cuida de alguém e não tem formação, mas tem experiência e é remunerada, essa pessoa é considerada Cuidadora Formal, por ser remunerada pelo serviço que presta.

Os Enfermeiros, os Auxiliares, os Professores,os Bombeiros, os Motoristas, os Agentes da Polícia, os Cabeleireiros, os Directores Técnicos, os Farmacêuticos, os Terapeutas, os Psicólogos, os Gerontólogos, os Médicos, os Políticos etc, são exemplos de Cuidadores Formais - Cuidam de Pessoas de forma remunerada.

O Cuidador Informal, segundo A Cuid'arte, pode ser, ainda, subdividido: Cuidador Informal Passivo e Cuidador Informal Activo. 

Imagine o caso de uma família, que vive na mesma casa, constituída por quatro elementos: o avô (dependente), o casal adulto (filha do avô e marido) e o neto (adolescente). Vamos criar o cenário em que é apenas a filha do idoso que cuida do mesmo.
Então, no ponto de vista d'A Cuid'arte, o Cuidador Informal Activo é a filha do Idoso, por ser ela que cuida directamente do seu pai, fazendo higiene diária, dando a alimentação, fazendo estimulação do pai, desgastando-se emocionalmente, diariamente, para se conseguir dividir entre filha, esposa, mãe, Ela Profissional e Ela Mesma. O genro e o neto serão, então, os Cuidadores Informais Passivos, na medida em que ajudam a Cuidadora Informal Activa a realizar pequenas tarefas, não estando sempre presentes na ajuda, auxiliando apenas e só quando solicitados ou em casos de emergência, mas vivem com a pessoa que precisa de ser cuidada.

Sim, não sofre apenas a pessoa dependente/doente, os Cuidadores também sofrem! Sejam eles Formais ou Informais, o desgaste físico e emocional é gigante. E ninguém está a dar a devida importância.

Ser Cuidador é óptimo mas desgastante. 

Perceba que o Cuidador sofre tanto ou mais do que aquele que é cuidado: sofre por dar tudo o que consegue e não consegue, sofre por quem está a cuidar sofrer, sofre porque já arranjou todas as soluções mas nenhuma deu resultado, sofre porque não consegue realizar os seus objectivos, sofre porque não consegue descansar em condições, sofre por ver de perto a Morte e lutar contra ela, etc. etc. etc.

Agora que o pior de ser Cuidador já foi dito e já ficou mais em baixo, o que acha da vida dos Cuidadores? Dura, não? 

Nós não queremos, de todo, desmoralizar ninguém. Queremos alertar para que se se lembra daquela pessoa que Cuida de Alguém, então ligue-lhe, combine algo com ela, resolva os problemas que tem com ela, abrace-a. Essa pessoa precisa de ajuda!

Também há coisas boas! Ser Cuidador é magnífico! Tanto por estar de perto com alguém que nos ensina todos os dias, como pelas brincadeiras, por aprendermos a amar a nossa vida e a cuidar melhor todos os dias, pelas experiências únicas que são relembradas, pelos resultados bons quando fazemos tanto para lá chegar, pelo sorriso terno, pelo OBRIGADA(O) de quem é cuidado(a), pelo simples laço que se cria e pelo compromisso de Cuidar Bem do outro, etc. Parece pouco? Não é! 
Apesar de ter aspectos negativos, os positivos vão sempre sobressair! 

A Cuid'arte cuida de Todas e de Todos os Cuidadores!

Nós lembramos-nos de vocês!